quarta-feira, 18 de abril de 2007

CICLOVIAS E O SISTEMA DE CICLOVIAS DE PARELHEIROS

Em 2005 a Subprefeitura de Parelheiros, embora sem recursos optou como uma prioridade simbólica iniciar a implantação de uma Ciclovia, entendendo seu múltiplo significado. A bicicleta é meio de transporte para quase um milhão de paulistanos, alem de serem utilizadas para atividades de lazer e esportes. As ciclovias são estruturas viárias para a locomoção com segurança da população que utiliza a bicicleta para estes diversos fins. É, portanto, um direito do cidadão a circular com segurança. Utilizar a bicicleta também faz bem à saúde, evitando doenças, espacialmente as do coração. A ciclovia também promove um transporte saudável, que não polui. Houve reações iniciais de alguns setores, especialmente pelo costume de abusar da velocidade em área urbana e não considerar o pedestre. Hoje a realidade é diferente, muitos munícipes perguntam quando a Subprefeitura vai concluir a Ciclovia.


A meta e concretizar, com recursos da gestão ou com parceria uma rede básica de Ciclovias ou ciclo-faixas: 1) Centro-Terminal Varginha, 2) Centro-Colônia (construída 50% em 2006), recordamos que este trecho privilegia também o pedestre com um passeio ao longo da Ciclovia., 3) CoLônia-Barragem, 4) Centro-Embura e 5) Embura-Marsilac.

A importância da CICLOVIA DE COLÔNIA. Liga os núcleos mais povoados da região Colônia, Vargem Grande, Silveira, Centro. No Centro de Parelheiros temos um terminal, a área cívico-esportiva e Centro de Cidadania da Mulher e o futuro Parque Linear[1]. A existência da ciclovia é um argumento que a gestão colocou para concretizar o Centro de Educação Unificada, pois permite superar o critério da inexistência de densidade demográfica no eixo de 2 km que exige o CEU. O Bicicletario em frente ao terminal que estará funcionando no primeiro trimestre de 2007 vai reforçar este sistema de transporte local

O FUTURO. É importante saber que foi constituído um grupo técnico de ciclovias na cidade. Foi criado pela Portaria do prefeito nº 1.918, de 18 de maio de 2006 e publicado pelo Diário Oficial da cidade de São Paulo - sexta-feira, 19 de maio de 2006 - pág. 3. Seu objetivo é fomentar o uso da bicicleta como meio de transporte não poluente, de baixo custo, e como alternativa para o incremento da acessibilidade e da mobilidade da população. Este grupo busca articular ações de todas as Secretarias envolvidas e junto com a SVMA vai implantando as ciclovias previstas, ligando o Trem, Metro as marginais Tietê e Pinheiros e os bairros formando uma rede de apoio a este transporte alternativo na cidade. O Grupo Executivo da Prefeitura do Município de São Paulo para Melhoramentos Cicloviários - Pró-Ciclista é integrado pela SVMA, a quem compete a articulação geral das instituições envolvidas; Secretaria Municipal de Transportes - SMT, a quem compete propor a diretriz técnica geral; Companhia de Engenharia de Tráfego - CET, a quem compete prestar a assessoria técnica sobre gerenciamento de tráfego; São Paulo Transporte S/A - SPTrans, a quem compete prestar a assessoria técnica para a conexão intermodal, bem como para a implantação de infra-estrutura cicloviária associada aos corredores de ônibus; Secretaria de Infra-Estrutura Urbana e Obras - SIURB, a quem compete a contratação de projetos e obras de implantação de infra-estrutura cicloviária; Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras - SMSP, a quem compete a manutenção da infra-estrutura cicloviária, bem como colaborar para sua implantação; Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação - SEME, a quem compete colaborar para a difusão da prática do uso seguro da bicicleta, bem como os modos de adequada condução desse veículo.[2] O Pró-Ciclista chamará, para cada intervenção a ser estudada, um representante da Subprefeitura atingida, que, para o seu território, terá atribuições similares às de SMSP. Se necessário para a consecução de suas atribuições, o Pró-Ciclista poderá solicitar a colaboração de qualquer outra instituição. O Pró-Ciclista tem as seguintes atribuições: a) identificar oportunidades para o fomento ao uso da bicicleta no Município de São Paulo, observadas as normas de trânsito vigentes; b) articular os diversos órgãos públicos da administração direta e indireta da Prefeitura do Município de São Paulo, entre si ou com outras instituições, para estudar e implantar melhoramentos cicloviários e para fomentar o uso da bicicleta; c) manifestar-se sobre questões que envolvam a implantação de melhoramentos cicloviários no Município de São Paulo; d) colaborar para a construção do conhecimento relativo ao uso da bicicleta em meio urbano, de modo a poder treinar e capacitar a administração pública para este modo de transporte, bem como colaborar para a promoção da educação para a convivência entre os modos. O tema das ciclovias entrou forte na agenda da cidade. Em fevereiro de 2007 o Prefeito Kassab sanciona a Lei que recolhe estas aspirações criando o “Sistema Cicloviário do Município”. Segundo o autor do projeto vereador Mancena, a utilização da bicicleta é diversificada: 45% para ir e voltar do trabalho, 30% para lazer e 5% para o Esporte.

[1] Este Parque Linear é uma compensação da SPTRANS pelo corredor Rio Bonito. Em 2006 a Subprefeitura em ação conjunta com a SVMA superou todas as etapas burocráticas do projeto ficando sujeito a liberação de recursos pela SEMPLA que com a administração central define as prioridades.
[2] O Pró-Ciclista será coordenado pela funcionária LAURA LUCIA VIEIRA CENEVIVA, de SVMA integram ANA MARIA HOFFMANN; Secretaria Municipal de Transportes, AYRTON CAMARGO E SILVA; Secretaria de Infra-estrutura Urbana e Obras, ALESSANDRO AUGUSTO DARDIN; Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras, FABIO TAKADA; Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação, CARLOS PAULINO JUNIOR; Companhia de Engenharia de Tráfego, DAPHNE SAVOY; MARIA ERMELINA MALATESTA; ,São Paulo Transporte S/A. SUZANA LEITE NOGUEIRA, PEDRO DI MASE

Um comentário:

Fernando Pessoa disse...

http://www.marcilac.com.br/12.html
Parelheiros Trânsito Caótico
Estou indignado com a situação do trânsito no centro de parelheiros, ou melhor, na bifurcação de Parelheiros com acesso para Embu-Guaçu/Marcilac, (em frente à padaria, próximo a igreja) há muito tempo tem um ponto de ônibus de ambos os lados da avenida em uma rua apertadíssima, quando o ônibus para no ponto ninguém mais passa e fica aquela fila enorme, tudo travado, aguardando o bate papo do motorista com transeuntes e a boa vontade do povo de entrar no ônibus, em horários de pico a fila chega a estender-se até o Cemitério Pq. Dos Girassóis, não é possível que nenhuma autoridade da região tenha enxergado tal erro de engenharia.
Além disso, os pedestres aproveitam que o trânsito parou e atravessam a rua com possíveis atropelamentos por motos, eu passo na região todos os dias e vou fotografar esta vergonha e enviar as autoridades.
A solução: Colocar o ponto de ônibus 300 metros após o local que ele está, vamos aproveitar que estamos em reforma na região e tomar uma atitude.
Marcelo Menezes

10 de Dezembro de 2008 11:55